domingo, maio 30, 2010

Ela passou o olhar pelo ambiente procurando alguém interessante. Fazia sempre, há tempos nunca encontrava. Ou ainda, a paisagem era sempre a mesma, as pessoas que já conhecia e que até era interessantes, mas..
Olhou e se pôs a pensar em como seria cada uma delas, no que estariam pensando? Será que seria possível estar entre aquelas pessoas desconhecidas alguém que realmente pudesse fazer a diferença? Talvez não. Muito provavelmente não. Já conhecia esse ambiente, sabia que não passava de uma grande encenação: pessoas que fingem felicidade, pessoas que fingem ser melhores do que são - que têm mais dinheiro do que tem, mais bem sucedido e resolvidos do que realmente são.. uma grande ilusão. Perda de tempo. "Termine sua cerveja, divirta-se com suas amigas e fique feliz assim", pensou consigo mesma.
E antes mesmo que terminasse esse pensamento, ele apareceu. Um daqueles com quem tinha trocado olhares mas desistiu diante dos motivos já conhecidos. Estava ali, como em um passe de mágica, ou truque.. talvez até uma pegadinha. Mas de fato estava. E como em outro truque de repente estavam conversando como se conhecessem há anos, e ela falava compulsivamente até ser interrompida. Há tempos não era de fato surpreendida dessa forma. Parecia que estava enganada. Que realmente poderia encontrar alguém interessante, não parecia ser tudo uma grande encenação, parecia sincero, real.
Será que era aquele o sorriso que procurava? Será que o destino teria atraído para que se encontrassem ali naquele lugar, quando ela já estava tão sem esperanças?
Sentiu-se uma tola por deixar o pensamento voar tão longe e esforçou-se para manter os pés no chão. Mas permitiu-se ter uma pontinha de esperança. E esperou. Em vão...

Não era real, não era sincero. Era só mais uma belo truque do destino que se irrita quando parecemos espertinhos demais e capaz de compreender a tudo. Ele não quer que o compreendamos. Ele se irrita com isso.. e quando você acha que tem tudo sob controle - tcharam - ele vem e te mostra "Não.. não é como vc quer, e sim como eu quero". Então ele continua a brincar, tornando as situações inusitadas, fazendo tudo parecer coincidência ou acaso.

Ela estava cansada de tudo isso. Se pudesse, fugiria do destino, se isolaria. Não daria brechas para que ele a enganasse... mas será que era possível? Mais uma vez estava lá, fatos estranhos, reencontros, as tais mentiras sinceras.. tudo de novo, como sempre foi.. no mesmo teatro. Na mesma enganação.

Mais uma vez, ela sorriu. Fingiu não entender do que se tratava. Concordou, despediu-se e não quis pensar no assunto. Mas lá no fundo, em algum lugar.. a pergunta martelava: até quando?

quarta-feira, maio 12, 2010

Isn't it ironic?

Meu email para a comprafacil.com depois de inúmeras tentativas de entrar em contato com a empresa e nada...

Gostaria de agradecer pela incompetência do atendimento ao cliente dessa empresa, pois se não fosse este, eu teria cometido o engano gravíssimo de adquirir um produto nessa empresa. Cerca de quase cinco minutos no telefone, sem que um atendente viesse atender. Estou realmente satisfeita por NÃO ter efetuado a compra. Obrigada, Sue


e a resposta deles foi: 





Prezada Sue ,


Informamos que a razão de existir de nossa empresa é o cliente, por isso procuramos ouvir todas as reclamações, opiniões e sugestões de nossos clientes. São excelentes oportunidades de aprimorarmos nossos produtos e serviços. Encaminhamos seu e-mail ao nosso departamento responsável para que problemas como este não ocorram novamente.
caso necessite de mais informações, entre em contato conosco.
Atenciosamente,
Atendimento Comprafacil.com

AHAM, CLAUDIA, SENTA LÁ... 

domingo, maio 02, 2010

Sem título

Uma típica manhã de outono. Essa estação tão rara aqui nesse país tropical, onde tudo se mistura e acontece ao mesmo tempo. Mas essa manhã, era de outono. Aquele friozinho que fez me enrolar mais no cobertor e apertar bem os olhos para chamar o sono de volta e os raios de sol que entravam pelas frestas da janela.
Não havia mais sono, aproveitei aquela sensação boa de poder ficar na cama apenas pensando na vida, sem nenhum compromisso lhe puxando, gritando, urgindo "Vamos, você vai perder o horário". Aproveitar a preguiça sem culpa, aproveitar o momento de despertar. 
Só isso já seria suficiente, mas especialmente nessa manhã preguiçosa de outono, o despertar foi agradável como há tempos não era. As lembranças do dia anterior que vinham aos poucos a memória me faziam abrir aquele sorriso involuntário, que muitas vezes te faz passar vergonha quando aparece em meio às outras pessoas, aquele sorriso que, quando surge, parece imperceptível de tão espontâneo que é. 
Então me pus a repassar todos os fatos, as coisas engraçadas (porque não, hilárias!!) que ouvi, as coincidências (destino, ironia...?), os abraços que troquei, as saudades supridas, as palavras, os olhares, o telefonema de far far way carregado de saudades.... Tentando fixa-los para não perdê-los. Como se a cada vez que eu lembrasse eles continuassem a existir. E me permitir sorrir, despretensiosamente, sem testemunhas, respirando aquela coisa boa que inundava o pensamento Enfim, senti-me satisfeita das lembranças, de ter errado quando achava que não deveria ter saído e feliz por existir algo maior, mais coerente, que põe por terra todas as minhas lógicas "cheias de razão". Ainda bem!

Ocorreu um erro neste gadget